Nota oficial: estupro coletivo da adolescente

A redação da Revista Canal Conselho Tutelar, vem a público expressar seu mais profundo repúdio ao ato de barbárie ocorrido na última segunda-feira (23), na Zona Oeste do Rio de Janeiro, envolvendo uma adolescente de 16 anos e 33 homens. Os agressores, após estupro coletivo, perpetuaram a humilhação utilizando as redes sociais para divulgar fotos e vídeos da adolescente nua, desacordada e ferida, ironizando o próprio crime.
Valemos lembrar que, se esse crime barbárie chegou ao conhecimento público, tantos outros permanecem ainda ocultos, sem repercussão. Segundo dados do Ministério da Saúde (Sinan) que no mínimo cerca de 527 mil pessoas são estupradas por ano e que, destes casos, apenas 10% chegam ao conhecimento da polícia. Os registros do Sinan demonstram que 89% das vítimas são do sexo feminino e possuem, em geral, baixa escolaridade. Do total, 70% são crianças e adolescentes. Precisamos lutar contra a violência sexual infanto-juvenil. 
A busca incessante pela efetivação dos direitos humanos a criança e adolescente tem como principal objetivo o enfrentamento a todos os atos e manifestações que legitimam, naturalizam ou justificam a violência infanto-juvenil. Ressalta-se que o enfrentamento a todo o tipo de violência contra a criança e adolescentes é pauta fundamental da equipe Canal Conselho Tutelar, a qual busca a construção de relações sociais mais justas e igualitárias das crianças e adolescentes. 
Desse modo, a Redação Revista Jurídica JusRO e do Canal Conselho Tutelar reforçamos nosso total repúdio ao ocorrido na Zona Oeste do Rio de Janeiro e reafirmamos o compromisso com o respeito aos direitos humanos das crianças e adolescentes e na luta diária pelo reconhecimento das crianças e adolescentes como ser de direitos. Assim, conclamamos a participação de toda a sociedade,  ao engajamento na luta pela defesa das nossas crianças e adolescentes.

Envie sua Sugestão de pauta, denúncia, fotos, videos, piadas para o WhatsApp: (69) 9987-6863 para envio. Não se esqueça de se identificar.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*